Editorial - O Brasil que se descobre.



Iniciamos o ano de 2013 esperançosos que o Brasil finalmente havia encontrado os eixos e assumido uma posição confortável na opinião da sua população. Sorrimos diante da esperança de emplacar uma Lei da Ficha limpa que não saiu dos nossos sonhos. Depois nos deparamos com a intensa quebra-de-braços do Mensalão e seu polêmico julgamento que resultou em condenação e sentença, mas redundou na mesma pizza de antes. "Quem manda, manda". Vimos também o Estado sendo afrontado, escândalos, saúde pública falida, segurança pública falha e deficiente. É bem a cara do Brasil o Supremo Tribunal Federal determina, através de Leis a condenação dos julgados, cassar mandatos e tudo ficar por isso mesmo, enquanto isso a presidenta assiste sem dizer um ai. Afinal, quem governa uma nação o faz pelo seu povo ou pelo partido? Eu gostaria de saber que povo os acusados e devidamente condenados representam, porque se representassem o povo cumpririam o que as Leis que o próprio Legislativo criou. Para eles não importa a vergonha que nos fazem passar diante do mundo que assiste o nosso "paizinho emergente" sendo lançado na lama da bandalheira, da corrupção e da impunidade. A mim me pareceu a velha cena do "teje preso!" e do "não tô". Se quem pode prender não prende então vamos deitar e rolar. Depois de tudo tivemos lamentavelmente que assistir a tragédia da Boate Kiss em Santa Maria. Estava tudo irregular e nas barbas do Estado, mas não fossem as proporções da tragédia com mais de 230 mortos, tudo ficaria por baixo do pano. Lógico que quando ocorre o Estado manda logo prender o "culpado", mas jamais assume publicamente que deixou de fiscalizar, permitiu a abertura e funcionamento e consequentemente tem uma enorme parcela de responsabilidade em tudo. Mas a culpa é da burocracia, da morosidade, das filas, nunca do Estado, isto porque ninguém processou o Estado por conta do acontecido. Aliás, no Brasil ninguém processa o Estado por nada. Acidentes fatais provocados por buracos nas ruas, danos materiais, falta de fiscalização...enfim. Está na Constituição todos os deveres do Estado e naquilo em que ele falhar, deixar de cumprir ou for negligente, está passivo de processo penal. Opa, calma! Estamos no Brasil, onde quem tem dinheiro e poder só vai preso se quiser. Não foi este o exemplo do PT e seus condenados no Julgamento do Mensalão? Justiça? Ora, se o caso vai ao Supremo e todo os condenados saem dando risadas de lá... cadê a Justiça? Ora, ora meus amigos, o voto é secreto e eu não vou dizer em quem vou votar nas próximas eleições, mas adiantarei aqui em quem NÃO votarei: NENHUM dos envolvidos no escândalo do mensalão, nem os candidatos dos seus partidos, nem as suas coligações terão meus votos. Eu não acredito em quem defende bandido, mas em quem está do lado da Justiça e durante o Julgamento ficou bem claro quem estava apoiando a bandidagem e quem estava agindo pelo povo. Ainda que alguns tenham usado de sutileza na ideia de enganar a opinião pública e parecerem "bonzinhos", ficou claro quem é do bem e quem é do mau. Infelizmente tenho que revelar que pouco tenho a me orgulhar deste governo e do partido que o representa, sempre envolto nos mais escabrosos escândalos e na mesma postura: Os acusados danam-se a confessar inocência enquanto que os demais cruzam os braços a apoiá-lo.Vergonhoso!

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais e de Copyright reservados ao autor.
Twitter - @prodacultural
Facebook - tony.casanova1

Seguidores do Google