Relacionamento | Por que o amor acaba? | Tony Casanova

Sobre relacionamento, namoro, casamento, relações, casais
Desde os tempos mais remotos que a civilização humana vive este dilema e se faz esta pergunta: Por que o amor acaba? Nos perguntamos desta forma talvez por não entendermos muito bem as engrenagens do amor e assim confundirmos uma série de sentimentos. Que tal tentarmos entender um pouco para eliminarmos algumas dúvidas?
O que é o amor afinal?

O amor poderia ser descrito como um conjunto de ações derivadas de múltiplos sentimentos. Nós sabemos que existem sentimentos bons, benéficos e sentimentos ruins e nocivos. Em uma balança sentimental é preciso que haja equilíbrio entre todos os sentimentos para que haja harmonia nas ações. Certamente não viveremos o tempo inteiro amando, mesmo porque o amor surge e comprova-se a partir das nossas ações benéficas e favoráveis ao outro.

Como sabemos que há amor?

Muito fácil e simples. São as ações que determinam o grau de extensão do que sentimos, desta forma quanto maior a entrega, o desprendimento, a doação, maior o sentimento que nos conduziu a esta ação. Existem pessoas que elevam em muito este grau de envolvimento com outras, outros já são reservados, comedidos e receosos. Por esta razão algumas pessoas vivem emoções quase que inacreditáveis, daquelas que suspiramos e dizemos: “Eu não seria capaz disto”.

Mas afinal, o amor acaba ou não?

Não, ele não acaba. O amor não é como um documento que se destina a alguém, portanto estará sempre disponível para que o doemos a quem desejarmos. Nós podemos destiná-lo a outra pessoa que acharmos conveniente e não nos permitirmos mais doar a quem estávamos nos doando. As ações serão as mesmas, o amor também, mas o grau poderá mudar de acordo com a nossa entrega pessoal. O amor, óbvio, não sofre mudanças, estará ali com suas bonanças prontas para serem entregues. Não se trata de magia, mas de vontade e fé. Aqueles que não conseguiram mais acreditar nas pessoas que amaram, simplesmente anularam as ações donativas e cessaram a entrega por vontade própria, motivadas por um forte sentimento contrário que desequilibrou a sua balança sentimental.

Somos capazes de amar novamente?

Claro! Mas depende exclusivamente da nossa vontade. Se quisermos sim. Basta se permitir. O que ocorre não é que tenhamos deixado de amar, mas permitimos que algo oposto cresça e ocupe o lugar que se destinava ao crédito que dávamos aquela pessoa. Passamos então a crer mais no mal que foi feito a nós que no benefício que nos foi feito. Desta forma nos defendemos das mágoas, dos sofrimentos indesejados e buscamos cicatrizar as marcas deixadas por estas feridas. Após este período de repouso para cicatrização é possível amar novamente e ser feliz tranquilamente e com uma vantagem; a cada experiência vivida, aprendemos a ter ações mais maduras e sóbrias.


Texto do Escritor brasileiro Tony Casanova. Direitos Autorais reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução total ou parcial de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio sem autorização prévia e expressa do autor. A violação destes Direitos constitui-se em crime previsto nas Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais e Propriedade Intelectual e está passiva de punição legal cabível de acordo com a Legislação em vigor.

...................................................................................................................     

Relationship | Why love ends? | Tony Casanova

Since the earliest times that human civilization is experiencing this dilemma and asks this question: Why love ends? We ask ourselves this way perhaps we do not understand very well the wheels of love and so confuse a lot of feelings. How about we try to understand a little bit to eliminate some questions?
    
   What is love anyway?

   Love could be described as a set of actions derived from multiple feelings. We know that there are good feelings, beneficial and harmful and bad feelings. In a sentimental balance there must be balance between all the feelings so that there is harmony in action. Certainly not live all the time loving, even for love emerges and proves from our good actions and favorable to another.

As we know that there is love?

  Very easy and simple. They are actions that determine the degree of extension of what we feel, so the higher the delivery, the detachment, the donation, the greater the feeling that led us to this action. There are people who raise much this degree of involvement with others, others are already reserved, restrained and fearful. For this reason some people live emotions almost unbelievable, those who sigh and say, "I would not be capable of this."

But after all, love fails or not?

  No, it does not end. Love is not as a document which is intended to anyone, so will always be available for the give of whom want. We can assign it to someone else as we see fit and not allow more give us who were in the giving. The shares will be the same, love too, but the level can change according to our personal delivery. Love, of course, does not undergo changes, will be there with their booms ready to be delivered. This is not magic, but of will and faith. Those who could no longer believe in the people who loved, simply canceled the donativas actions and ceased the delivery of their own accord, motivated by a strong feeling against that unbalanced his emotional balance.

We are able to love again?

  Of course! But it depends solely on our will. If we want to do. Simply allow. What happens is not that we have failed to love, but allow something opposite grow and occupy the place it was intended to credit we gave that person. We then proceeded to believe more in the wrong that was done to us in the benefit that we were done. In this way we defend ourselves from grief, unwanted suffering and seek to heal the scars left by these wounds. After this rest period for healing it is possible to love again and be happy quietly and with an advantage; every lived experience, we learn to be more mature and sober actions.
   
   Text Brazilian writer Tony Casanova. Copyright reserved. The copying, collage, total or partial reproduction of any kind or dissemination in any form without prior written permission of the author. The violation of these rights constitutes a crime under the Brazilian law and protection of the International Copyright and Intellectual Property and is passive legal punishment applicable according to the legislation in force.

.................................................................................................................

 relación | ¿Por qué el amor se acaba? | tony Casanova

Desde los primeros tiempos de la civilización humana que está experimentando este dilema y hace esta pregunta: ¿Por qué el amor se acaba? Nos preguntamos esta manera quizás no entendemos muy bien las ruedas de amor y así confundir a un montón de sentimientos. ¿Qué tal si tratamos de entender un poco para eliminar algunas de las preguntas?
    
   ¿Qué es el amor de todos modos?

   El amor puede ser descrito como un conjunto de acciones derivadas de múltiples sensaciones. Sabemos que hay buenos sentimientos, beneficiosos y sentimientos nocivos y malas. En un equilibrio sentimental tiene que haber equilibrio entre todos los sentimientos para que haya armonía en acción. Ciertamente no vive todo el tiempo amando, incluso para el amor surge y se demuestra a partir de nuestras buenas acciones y favorable a otro.

Como sabemos que no es el amor?

  Muy fácil y simple. Son acciones que determinan el grado de extensión de lo que sentimos, por lo que cuanto mayor sea la entrega, el desprendimiento, la donación, mayor será la sensación de que nos condujo a esta acción. Hay mucha gente que levanta este grado de implicación con los demás, otros ya están reservados, comedido y temeroso. Por esta razón algunas personas viven emociones casi increíbles, quienes suspiro y decir: "Yo no sería capaz de esto."

Pero después de todo, el amor falla o no?

  No, no termina. El amor no es como un documento que está destinada a cualquier persona, por lo que siempre estará disponible para la elasticidad de los cuales desee. Podemos asignar a otra persona, como lo vemos en forma y no permitimos darnos más que estaban en la entrega. Las acciones serán los mismos, el amor también, pero el nivel puede variar de acuerdo a nuestra entrega personal. El amor, por supuesto, no sufre cambios, estará allí con sus brazos listos para ser entregados. Esto no es magia, sino de voluntad y la fe. Los que ya no podía creer en las personas que amaban, simplemente cancelaron las acciones donativas y cesó la entrega de su propia voluntad, motivado por un fuerte sentimiento contra la desequilibrada que su equilibrio emocional.

Somos capaces de amar de nuevo?

  Por supuesto! Pero depende exclusivamente de nuestra voluntad. Si lo que queremos hacer. Simplemente permitir. Lo que pasa es que no hemos sido capaces de amar, pero permitir que algo opuesto a crecer y ocupar el lugar que estaba destinado a acreditar que dimos esa persona. Nos dirigimos a creer más en el mal causado a nosotros en el beneficio que nos hecho. De esta manera nos defendemos de dolor, sufrimiento no deseado y tratamos de curar las cicatrices dejadas por estas heridas. Después de este período de descanso para la curación es posible volver a amar y ser feliz en silencio y con una ventaja; cada experiencia vivida, que aprender a ser más maduros y acciones sobrios.
   
   Texto escritor brasileño, Tony Casanova. Los derechos de autor reservados. La copia, el collage, la reproducción total o parcial de cualquier tipo o difusión en cualquier forma sin el permiso previo y por escrito del autor. La violación de estos derechos constituye un crimen bajo la ley brasileña y la protección de la Internacional de Autor y la Propiedad Intelectual y es castigo legal pasiva aplicables de acuerdo con la legislación vigente.     

Seguidores do Google