21 de Dezembro de 2012 - O fim do mundo


Certamente há um pânico generalizado quando se fala em fim de mundo. Sonhar que a vida se extinguirá e que ainda há tanto para viver, para curtir, para aproveitar desta existência.Existir, sim existir é viver, mas pensar que tudo irá irá encerrar-se assim, do nada é no mínimo aterrorizador. E agora começa-se a perceber a beleza dos rios, dos cantos dos pássaros, a beleza da vida. A vida em sí ganha um valor nunca antes atribuido a ela. Em vão é comum aqueles que buscam abrigos seguros, abarrotados de alimentos, água e tudo que se deseje guardar para o tal fim do mundo. Difícil é entender que alguém possa estar protegido no mundo se é exatamente o mundo que se prega, irá acabar! Ai percebemos o quão valioso é o mundo para nós, diante da iminente ameaça de ficarmos sem ele, de não podermos aproveitá-lo, explorá-lo e destruí-lo como sempre fizemos. E só para ficar bem claro de quem é a culpa pelo fim do mundo é bom saber que a culpa é nossa! Sim, exatamente isso que voce leu. Nosso egoísmo, falta de respeito, nossos crimes ambientais. A sede humana de querer ser melhor não importa como, doa a quem doer. Se o mundo acabar no dia 21 de Dezenbro de 2012, lavará a terra da podridão acumulada da usura, do descaso, da exploração, imcompetência humana em administrar sua própria casa, seu próprio planeta. E nimguém se ache inocente diante da culpa, todos somos culpados porque semeamos mal, regamos mal e colheremos mal. O fim do mundo já vem ocorrendo a cada ano que passa, a cada espécie da fauna ou flora que extinguimos para construirmos belas edificações, quando desrespeitamos os quatro elementos vitais para a vida, quando quebramos a harmonia secular em nome da ciência tentando explicar aquilo que está ali para ser usufruido e não explicado. Não nos basta ter a ciência, temos que ter poder para criar e destruir, para ameaçar, coagir, impor e ditar nossas regras cruéis. Queremos ter e ter mais, queremos tudo ou nada. O mundo é nosso! Terra, Fogo, Água e Ar, os elementos cosntituintes da vida que juntos equilibram um sistema que nos proporciona existir. Infelizmente nós somos nossos maiores predadores e também somos nossas maiores presas. Para o criador, não importa a quem voce possa atribuir a criação do mundo, mas para ele, imagine com que satisfação estará observando sua criação sendo destruída ao longo dos anos. Seres inteligentes, sim, assim nos definimos diante de nós mesmos. Inteligentes a ponto de destruirmos a casa em que moramos, derrubando suas paredes e permanecendo embaixo para que seu teto nos despenque na cabeça. Inteligentes a ponto de termos todas as respostas para tudo, mas não sabermos e não fazermos absolutamente nada para mudarmos. Diante da iminência do fim queremos apelar para a proteção divina, para os cristais, para os astros e para seja lá quem, mas quando estávamos promovendo o fim do mundo das espécies, fomos cruéis, impiedosos, verdadeiros carrascos. Quantos fins de mundo provocamos? Sim, foram muitos fins de mundo de animais, de vegetais, fim de mundo de terras invadidas, mares, encostas, morros, fim de mundo dos céus que poluímos, das águas... quantos fins de mundo causamos? Aprendemos a roubar, matar e destruir, mas diante das autoridades nos declaramos inocentes. Não merecemos morrer! Aos poucos a humanidade descobre aterrorizada que sua batata está assando e que se o fim do nosso mundo não for em 21 de Dezembro de 2012, certamente será em outra data bem próxima.

Por Tony Casanova - Direitos Autorais e de Copyright reservados ao autor.
no facebook Tony Casanova
no Twitter prodacultural

Seguidores do Google