Yoani Sanchéz , a força da humildade.


Eloquente e bastante articulada, a jovem blogueira Yoani Sanchéz tornou-se uma celebridade entre os brasileiros e um calo seco e dolorido para seus desafetos. Não que ela os tenha procurado, mas em sua visita ao Brasil Yoani provou o gostinho da ardilosidade da imprensa brasileira. Logo de início suas aparições foram contempladas com a presença de "manifestantes" contrários e entre cartazes pré-cozidos e palavras de ordem pra lá de conservadas, gritavam "fora mercenária". Nem cabe lamentar estes fatos, afinal estamos tão acostumados a isso não é mesmo? Pratica-se estes atos aqui no Brasil desde que me conheço por gente. Receitinha simples: Planta-se um punhado de "manifestantes" que na verdade são agitadores e dá-se a eles panfletinhos, faixas e cartazes prontos. Ueba!!!! Lá se foi nosso miojo político! Mas se os tais manifestantes de araque são algo comum em nosso País, imagine só a nossa pérola mais valiosa, a chamada sabatina de imprensa. Yoany Sanchéz foi sabatinada por toda sorte de jornalistas e pasmem senhoras e senhores: Nesta hora em nome da ética, o corporativismo ficou de lado. Sim porque a Yoani além de blogueira é formada em jornalismo. Após acompanhar todas as matérias que pude referentes a trajetória dela no Brasil, confesso que encantei-me com a sua simplicidade, a desenvoltura e a inteligência. Bastante articulada, Yoani sabia identificar as perguntas sutis e cheias de veneno de alguns "jornalistas". Algumas delas tão mordazes e escancaradas que só faltaram vir com tapas na cara da blogueira, mas ela sorria e numa elegância e equilíbrio fora se série, respondia e deixava o algoz em saia justíssima diante das câmaras. Yoani Sanchéz amarelou o sorriso de muito jornalista brasileiro metido a besta. Suas respostas eram á altura das perguntas, mas com uma elegância, uma clareza e desprendimento incríveis. Quando tentaram lhe dar um partido político, ela soube responder. Quando tentaram insinuar que estava sendo patrocinada pelo governo americano, ela soube responder, quando lhe perguntaram sobre quem seria o melhor sucessor de Raul Castro, ela soube responder. Aliás ela soube responder a todas as perguntas com a classe de uma jornalista e a coragem de uma blogueira. Ficaria feliz se pudesse ver algumas Yoanis Sanchéz no Brasil. Queria ver pessoas com um discurso claro e corajoso, verdadeiro e imbuído verdadeiramente em causas sociais. Sua vinda ao Brasil não serviu somente para levantar questões sobre seu País, mas serviu também para mostrar como nós tratamos os que aqui chegam com suas opiniões na bagagem. Serviu para mostrar que isso é o exemplo de patriotismo, de fidelidade a um povo. Serviu para mostrar que temos também enrustidos em meio ao povo, pessoas que se prestam ao papel de "manobristas" e que os verdadeiros autores das manobras se escondem atrás da caríssimos ternos de linho. A vinda de Yoani Sanchéz também serviu para mostrar a força que tem o blogueiro e que blogueiros não tem editores chefes, redatores ou quem quer que seja para lhes dizer o que escrevam. O que vimos nas aparições da blogueira foram manifestos de apoio e meia-dúzia de gatos pingados e bem pagos para agitarem os ambientes. Ela, obviamente esperta e muito inteligente não se deixou abalar publicamente e com aquele sorriso poderoso e palavras precisas, metralhou seus falsos seguidores e amarelou os dentes dos jornalistas mais afoitos. Juro que desejei tê-la conhecido para parabenizá-la e lamentei o fato de termos estado a quatro horas de distância e eu não pude ir até ela, mas como blogueiro, deixo aqui a minha manifestação de apoio e solidariedade em nome de todos os brasileiros que souberam te receber com educação, carinho e o respeito que lhes são devidos. Espero que em breve retorne ao Brasil e fique um pouco mais, sem muitas aparições e curtindo mais a beleza do nosso País e de preferencia que eu saiba onde estará para poder visitá-la. Creio eu que um País considerado a sexta maior economia mundial, maior país da América Latina, País cujo povo tem fama de ser hospitaleiro e simpático, deve saber receber bem a todos que lhe visitam, obviamente isto vale principalmente para as autoridades, que no mínimo deveriam dignar-se a dizer olá a uma visitante tão ilustre, afinal de contas eleito pelo povo, o parlamento deve representar o povo e nosso povo é educado por natureza.
Em conversa com alguns amigos que assistiam a uma das entrevistas da Yoani Sanchéz, alguns me perguntaram: O que voce tem a dizer sobre Cuba Tony? E eu prontamente respondi: " A Cuba o que é de Cuba e ao Brasil o que é do Brasil. Eu sou brasileiro e vivo no regime Democrático, sei dos problemas que temos no Brasil e disso posso falar, mas quanto a Cuba, tenho certeza que qualquer pergunta referente a Cuba, ela sabe responder melhor que eu. O que não posso é hostilizar uma visitante, principalmente em visita pacífica e recebê-la de forma tal que lhe dê a impressão que ela jamais saiu saído de Cuba. Lamentável que parte da imprensa brasileira tenha se portado de forma mordaz e astuciosa nas perguntas a Yoani Sanchéz e mais ainda que se alguns agitadores de araque tenham feito o papelão de tentar coagi-la nas suas aparições.

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais e de Copyright reservados ao autor.
Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google