Paz.



Aqui no peito ferido
Onde a esperança quase desfalece
Inda encontro
O brado contido que cresce.

Na vã certeza de explicar a vida
O inconformado brado enlouquece
Uma loucura branda e desfalecida
Que de tão entristecida me entristece.

Como explicar vidas que tombam mais e mais?
Ou entender as mãos sangrentas na guerra?
Porque fazer guerra pela paz,
Quando o que mais se faz[Nesta terra]
É a guerra pela guerra?

Aqui no meu peito onde a razão prevalece
Ainda que meu brado faça-se adormecido
Salta nele a dor que ali se encerra
Como é possível não ser ferido
Inda que não se deseje a tal guerra?

Texto de Tony Casanova. Esta obra está protegido por Direitos Autorais e de Copyright reservados ao autor.

Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google