Tony Casanova - Indagações de um escritor.


O que escrevo, para quem escrevo e porque escrevo?
Foram estas indagações que rondaram minha mente estes dias. Evidentemente já me respondi acerca destas questões, mas andei me perguntando se meus leitores não precisam saber também. Acho que sim, até porque acredito que outros colegas de escrita devem ter se perguntado a mesma coisa.
O que escrevo? - Bem, como não sou partidarista político, ativista ou esteja ligado a qualquer movimento social eu escrevo tudo que me inspira. Ora falo romanticamente de amor, as vezes de política, outras vezes me deixo tomar por ângulos aleatórios da vida. Na verdade me permito ser versátil e navegar por variáveis de assuntos sem prender-me a nenhum. O que procuro evidenciar é o compromisso com a atualidade e o respeito ao leitor. Outro compromisso firmado é o da ética e da verdade. Parece jargão de jornalistas, mas me prende muito ao compromisso ético e faço valer no que escrevo. Sempre acreditei que uma boa matéria deve expor o cunho útil do fato, para isso é preciso manter o equilíbrio entre opinião e fato, abordando o tema sempre de forma responsável e livre de precipitações. Fazer matérias para blogs difere de matérias jornalísticas, onde o jornalista trabalha com a informação dos fatos e o blogger com a opinião sobre eles. Manter esta distância é saudável e agradável, além de ser ético.
Para quem escrevo? - Obviamente ninguém escrevo sem razões e eu não serei hipócrita para dizer que escrevo para classes A, B, ou C. Sou escritor não um economista e não pretendo ser um divisor de classes. Busco leitores independentemente de classes sociais, estigmas ou rótulos e comemoro com imensa felicidade a existência dos meus leitores. Estando livre da pressão comercial da editoras não preciso escrever temas específicos e atraentes para este ou aquele público, não preciso selecioná-los e desta forma não os privo de submeter textos variados á sua apreciação. Isso para mim flui como numa massagem á olhos vendados onde tentamos adivinhar ás cegas, onde se dará o próximo toque. Excitante e enigmático aos leitores e muito prazeroso para mim.
Porque escrevo? - Todos temos nossas razões para escrever. Eu particularmente creio que além de sugerir uma mensagem, escrever é dividir, somar, multiplicar ideias, visões, ângulos diferentes. Escrever é uma intrínseca equação que resulta na arte. Isso me leva a acreditar que escritores são "fazedores de arte" e escrever não é meramente ter ou falar sobre um tema, mas descrevê-lo de forma que a alma sobreponha as palavras na sua descrição. A arte é individual, assim como é a precisão de cada artista, desta forma se pusermos dez artistas a escrever sobre o mesmo tema, teremos dez descrições perfeitamente diferentes, mas pinceladas de arte individual. A arte não se copia, não se repete e não se corrompe.

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais e de Copyright reservados ao autor.
Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google