Amantes numa ilha - Parte ll


Meus olhos buscaram seus lábios e em silêncio puxei-a para mim. As bocas encontraram-se e eu pude sentir a maciez e a umidade dos lábios de Maíra nos meus. Naquele momento ali, não havia mais nada além de nós dois. Sentia seu corpo quente colado ao meu enquanto suas mãos me puxavam levemente para ela. Já vivi muitos amores e a cada paixão que surge, sinto que ela traz consigo as mesmas emoções vividas no primeiro romance.Sinto-me resgatando a magia, o envolvimento e o encanto de tantos outros momentos tão inesquecíveis. Com Maíra eu vivi um sonho recheado de muitos outros. O brilho daqueles olhinhos, aquele rostinho formoso que parecia ter sido esculpido á mão me inebriava, me deixava entorpecido. Por vezes me pegava estático, calado, olhando para ela boquiaberto, feliz e ela sorridente me perguntava:
- Que foi?
- Voce é tão linda - Eu respondia.
- Bobo! - Dizia ela continuando a sorrir.
Maíra me rendeu muitas escritas e me aqueceu por dois anos. Dois anos de capítulos felizes, muitos sorrisos e alegria. Seus pais olhavam para nós dois como filhos e dividiam conosco a mágica que nos unia. A convite insistentes deles, eu vivia mais no apartamento onde moravam do que na minha própria casa. Lá ficávamos a conversar, rir e brincar muito. Foi em 1992 que o pai de Maíra recebeu da empresa em que trabalhava, a notícia da sua transferência para Curitiba e para lá se foi levando a minha Maíra e com ela todos os meus sonhos. Qualquer separação é dura, é difícil, mas ninguém consegue digerir uma separação sem que se tenha tido motivos para isso. Não sou dado a despedidas e aquela eu confesso que me desceu rasgando a garganta e cortando o coração. Eram quatro que choravam no saguão do Aeroporto Santa Maria em Aracajú. ainda estávamos abraçados quando ouvimos a chamada para embarque. Maíra me abraçou e beijou-me com aquele mesmo beijo que me dera quando nos conhecemos, soltou-me, olhou-me nos olhos e disse baixinho enquanto chorava:
- Eu te amo.
- Também te amo - Respondi engasgado pelo choro.
Ela dirigiu-se ao avião sem olhar para trás e ao chegar na escada de embarque desenhou um coração com as mãos e entrou. Eu podia ver o avião se afastando e sumindo nas nuvens, carregando com ele meu sonho mais lindo.

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais reservados ao autor.

Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google