Os podres e os Poderes da fama. [Tony Casanova]


Hoje em dia é comum ligarmos a TV e nos depararmos com notícias de famosos, fatos que antes não eram comuns de serem vistos nas matérias e reportagens. São escândalos e mais escândalos sempre envolvendo celebridades. O que impressiona não são os escândalos, eles sempre existiram, o que impressiona é como a mídia tem tornado isto o prato do dia, aliás o único prato de todos os dias. Logo a impressa que sempre protegeu a imagem dos artistas até mesmo impedido-os de apresentarem-se em outras emissoras ou darem entrevistas públicas exceto para seus próprios canais. A razão destes novos temas serem tão difundidos na mídia é a busca inconsequente pela audiência. Semelhantes a urubus na carniça, a imprensa falada e escrita, programas de televisão e telejornais tiraram o privilégio dos Paparazzis quando o assunto é revelar escândalos. Perdendo em audiência para a Internet que derrubou também a venda de jornais e livros, as emissoras de televisão e rádio passaram a adotar o critério dos escândalos em busca de mais pontos na audiência.
Tudo é feito sob o manto da “Imparcialidade, da Informação”, chegam até mesmo a invocar a “Liberdade de Imprensa” e divulgam os mais escabrosos escândalos da vida particular dos famosos, estes que segundo os mais entendidos, não tem vida particular, já que tudo que fazem vem a público. Na verdade jornais, telejornais e as emissoras de televisão sempre foram bons em divulgar os escândalos alheios, mas sabem esconder como ninguém seus próprios envolvimento nestas fatídicas matérias. Quando as notícias podres são referentes a artistas ou fatos de outras emissoras, então vamos divulgar. Se elas são referentes a escândalos de dentro, vamos abafar. Quem ousaria atirar no próprio pé, Mesmo que fosse em nome da tão falada credibilidade, da ética e da imparcialidade?
Na verdade a exposição dos fatos inerentes aos escândalos das celebridades só tem provado que eles também fazem necessidades básicas como evacuar, tomar banho, ir a praia, namorar e beijar. Lógico que artistas também usam drogas, atropelam, ficam bêbados. Mas quem vai exibir o dono da própria emissora cometendo um ato ilícito, ou mesmo socialmente condenável? Quem vai lançar as fezes ao ventilador e jogar contra o próprio patrimônio? Há em qualquer jornalista, apresentador ou repórter que se atrever a publicar fatos contra a própria emissora, a certeza absoluta da demissão sumária. Então não devemos mais usar o discurso da ética, da credibilidade, da imparcialidade porque não existem. É demagogia demais para que se acredite nela. Um show de hipocrisia que assistimos todos os dias e na ótica de quem assiste, fica a impressão de que só os artistas tem fatos a esconder, mas a realidade é exatamente o contrário; há mais nos bastidores do que se faz saber.
Obviamente que alguém poderia questionar-me a respeito do que estou dizendo. O que estou dizendo aqui não é novidade alguma, não escrevi nada aqui que a própria imprensa já não tenha publicado. Aliás, a todo instante alguma emissora divulga os podres de outra ou dos artistas, fato que atesta que não se pode dar credibilidade a nenhuma, visto que escondem a própria face para apontar a face alheia. Em se tratando de Brasil, não se poderia esperar que a credibilidade, a ética e a imparcialidade existissem além dos discursos jornalísticos inflamados diante das câmaras. Um País que escolhe os corruptos que irá denunciar, condenar e punir não pode falar em credibilidade. Infelizmente a cada dia temos o exemplo de que os cupins da corrupção consomem a madeira da nossa dignidade. São tantos a comerem dela que já não há esperanças de que possa restar um único pedaço que não tenha sido devorado por estas pragas infelizes.

Texto do escritor brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele, sem autorização expressa do autor, sob pena de infração ás Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais.

Seguidores do Google