Comportamento | A difícil arte de conviver a dois. | Tony Casanova

   O convívio á dois nunca foi fácil e certamente nunca será por envolver mundo adversos e não só por isso, mas porque a ação de amar consiste exatamente em vencer adversidades. Pode parecer poético, mas é muito real.  Imaginemos que do período em que nascemos até o ponto em que nos envolvemos seriamente com alguém, passamos criando nossos gostos, desenvolvendo nossas vontades, princípios e objetivos. Ao iniciarmos uma relação nos deparamos com alguém que muitas vezes pode ser o oposto de tudo que construímos e acreditamos. São valores diferentes e precisam ser respeitados se quisermos manter a relação. O problema de todo convívio começa quando os valores de um vão ao encontro dos valores do outros. Quando entram em choque e interferem no curso dos objetivos do outro. As vezes pequenas bobagens, outras em situações mais importantes e sérias. É ai que deve entrar em cena toda diplomacia e tolerância que podemos ter. Primeiro porque devemos respeitar o outro em suas convicções e segundo porque também temos o Direito a este respeito. Mediar as coisas nem sempre é fácil, mas não é impossível. Todos nós sabemos que não temos cacife para mudar, moldar o outro, assim como não queremos mudar e ser moldados, desta forma nos resta o diálogo como forma pacífica de expor questões, mostrar prioridades e a importância das nossas convicções. Obviamente que nem sempre teremos razão, nem sempre conseguiremos, mas o fato de tentarmos já nos oferece uma dianteira razoável nas questões conflituantes da convivência.  
   Apesar do que parece, amar não é nenhum bicho de sete cabeças, ao contrário do que muitos pensam. Não podemos viver projetando o amor como se ele fosse algo do tipo "Harry Potter", cheio de magia e fórmulas secretas. Nada disso! O amor consiste no esforço de negar-se, de abrir mão de possíveis direitos em função do benefício do outro. Se existe algo que não é fácil no tocante a amar é a ação de colocar o outro em primeiro plano, como sendo a nossa prioridade. Isto significa que não será a nossa vontade que manifestaremos, mas respeitaremos e faremos o que for preciso para que o outro esteja bem. Creio que nem é preciso lembrar que amar não é ofertar ou mesmo fazer sempre a vontade do outro. Precisamos ter critérios, afinal nem tudo que desejamos para nós é bom, nem sempre somos sábios ao desejarmos algo. É óbvio que se alguém deseja algo que de alguma forma vá lhe trazer algum malefício, nós conscientemente não iremos fazer isso. Nestes casos precisamos de muito bom senso e principalmente tentar entrar em consenso com o outro. Dentro dos pontos de convívio, há um ponto muito importante que é o de aprender a respeitar o "Não" que ouvimos. Nem todo não é prejudicial, pelo contrário, ás vezes um não pode trazer excelentes benefícios e trazer grandes aprendizados.
    O que se precisa lembrar sempre em qualquer relação é que nós não temos Direitos sozinhos e assim como precisamos defender os nossos Direitos, também o outro precisa exercitar este benefício. Nenhuma relação pode ser pautada apenas no "Eu", mas acima de tudo no "Nós". Precisamos aprender a compartilhar, dividir, somar e crescer juntos, amadurecer por igual. Na vida não somos os únicos a desejar, a sonhar, a querer, precisamos dar as mãos e caminhar juntos para que nossas conquistas não sejam só nossas, mas de ambos. Abrir mão de vontades, de sonhos e desejos em uma relação não representa necessariamente uma perda, mas um ganho sem precedentes em amadurecimento, uma prova incontestável de amor. Não podemos mais viver nos prendendo ás coisas materiais imaginando que sejam elas as grandes conquistas da vida, fosse assim aqueles que tiveram êxito material e são abastados financeiramente seriam completamente felizes enquanto reinaria uma infelicidade sem fim naqueles que ainda estão se arrastando em busca de suas conquistas. O amor tem a ver com o de dentro e nada a ver com o de fora. Poderíamos ter tudo na vida e ainda assim nos sentir vazios e solitários, bem como poderíamos não te nada e vivermos felizes como se nada nos faltasse.
    Uma relação sólida, bem construída não é aquela em que há a ausência de conflitos, toda relação, todo convívio é conflituante, mas relações com base forte são pautadas em valores como princípios éticos e morais, respeito e responsabilidade, dedicação e paciência, maturidade e bom senso. Por hoje fico por aqui, espero que você tenha gostado e se gostou, compartilhe, deixe seu comentário. Obrigado pela visita.

     Texto do Escritor brasileiro Tony Casanova. Direitos Autorais reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução total ou parcial de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio sem autorização prévia e expressa do autor. A violação destes Direitos constitui-se em crime previsto nas Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais e Propriedade Intelectual e está passiva de punição legal cabível de acordo com a Legislação em vigor.

...................................................................................................................
Behavior | The difficult art of living together for two | Tony Casanova

The two living will has never been easy and certainly never will be because it involved adverse world and not only so, but because the action of love consists precisely in overcoming adversity. It may seem poetic, but it is very real. Imagine that the period we are born to the extent that we engage seriously with someone, we create our tastes, developing our wills, principles and goals. As we begin a relationship we encounter someone who can often be the opposite of everything that we have built and believe. They are different values ​​and need to be respected if we are to maintain the relationship. The problem of all living begins when the values ​​of one are in line with the values ​​of others. When clash and interfere with the course of other objectives. Sometimes small annoyances, others in the most important and serious situations. This is where all should step in diplomacy and tolerance that we have. First because we must respect the other in his convictions and secondly because we also have the law in this regard. Mediate things is not always easy, but not impossible. We all know that we do not have the clout to change shape each other, and do not want to change and be molded in this way remains to peaceful dialogue as a way to expose issues, priorities and show the importance of our convictions. Obviously we have not always right, is not always possible, but the fact of trying already offers us a reasonable lead in conflicting issues of coexistence.
   Despite what seems, love is no big deal, contrary to what many think. We can not live projecting love as if it were something like "Harry Potter", full of magic and secret formulas. Not at all! Love consists in the effort to refuse, to give up rights possible due to the benefit of the other. If anything is not easy with regard to love is to put action to the other in the foreground, as our priority. This means it will not be our will to manifest, but will respect and will do whatever it takes so that the other is good. I believe that not one must remember that love is not to offer or even always do the will of another. We need to have criteria, after all not everything we want for us is good, we are not always wise to desire something. It is obvious that if someone wants something that somehow go bring some harm, we will not do it consciously. In such cases we need a lot of common sense and above all try to come to consensus with each other. Among the points of interaction, there is a very important point is to learn to respect the "No" we hear. Not all is not harmful, however, sometimes can not bring great benefits and bring great learning.
    What you must always remember in any relationship is that we have no rights alone and just as we must defend our rights, the other also need to exercise this benefit. No relationship can be based only on the "I", but above all the "We". We must learn to share, divide, add and grow together, mature evenly. In life we ​​are not the only ones to be desired, to dream, to want, we need to join hands and walk together so that our achievements are not only ours, but of both. Give up desires, dreams and desires in a relationship does not necessarily represent a loss, but an unprecedented gain in maturity, an unquestionable proof of love. We can no longer live holding the ace material things thinking that whether the great achievements of life were that those who had the material success and are well-off financially would be completely happy while reign unfortunate endless those who are still crawling in search of their achievements . Love has to do with the in and nothing to do with the outside. We could have everything in life and still feel empty and lonely, and could not you nothing and live happily as if nothing in the missing.
    A solid relationship, well-built is not one where there is the absence of conflict, every relationship, every interaction is conflicting, but strong base relations are guided by values ​​such as ethical and moral principles, respect and responsibility, dedication and patience, maturity and common sense. By now I'm here, I hope you enjoyed it and if you like, share, leave your comment. Thanks for the visit.

     Text Brazilian writer Tony Casanova. Copyright reserved. The copying, collage, total or partial reproduction of any kind or dissemination in any medium without prior written permission of the author. Violation of these rights constitutes a crime under Brazilian law and the protection of the International Copyright and Intellectual Property and is passive legal punishment applicable according to the legislation in force.

.....................................................................................................

Comportamiento | El difícil arte de vivir juntos para dos | De Tony Casanova

Los dos testamento en vida nunca ha sido fácil, y ciertamente nunca será porque implicaba mundo adversa y no sólo esto, sino porque la acción del amor consiste precisamente en la superación de la adversidad. Puede parecer poético, pero es muy real. Imagine que el período en que nacemos hasta el punto que nos involucramos en serio con alguien, creamos nuestros gustos, el desarrollo de nuestras voluntades, principios y objetivos. Al comenzar una relación nos encontramos con alguien que a menudo puede ser lo contrario de todo lo que hemos construido y creer. Son valores diferentes y deben ser respetados si vamos a mantener la relación. El problema de toda la vida comienza cuando los valores de una están en línea con los valores de los demás. Cuando choque e interferir en el curso de otros objetivos. A veces pequeñas molestias, otros en las situaciones más importantes y graves. Aquí es donde todos deben intervenir en la diplomacia y la tolerancia que tenemos. En primer lugar porque hay que respetar al otro en sus convicciones y en segundo lugar, porque también tenemos la ley en este sentido. Mediar cosas no siempre es fácil, pero no imposible. Todos sabemos que no tenemos el poder para cambiar de forma entre sí, y no queremos cambiar y ser moldeado de esta manera se mantiene el diálogo pacífico como una manera de exponer los problemas, prioridades y mostrar la importancia de nuestras convicciones. Obviamente, no siempre tenemos razón, no siempre es posible, pero el hecho de tratar ya nos ofrece una ventaja razonable en los temas conflictivos de la convivencia.
   A pesar de lo que parece, el amor no es gran cosa, al contrario de lo que muchos piensan. No podemos vivir proyectar el amor como si fuera algo así como "Harry Potter", lleno de magia y fórmulas secretas. ¡Nada de eso! El amor consiste en el esfuerzo de rechazar, a renunciar a los derechos posibles debido al beneficio de la otra. Si hay algo que no es fácil en lo que respecta al amor es poner la acción a la otra en el primer plano, como nuestra prioridad. Esto significa que no será nuestra voluntad de manifestarse, pero respetará y hará lo que sea necesario para que el otro es bueno. Creo que no hay que recordar que el amor es no ofrecer o incluso hacer siempre la voluntad de otro. Tenemos que tener criterio, después de todo, no todo lo que queremos para nosotros es bueno, no siempre somos sabios a desear algo. Es obvio que si alguien quiere algo que de alguna manera va traer un poco de daño, no vamos a hacerlo conscientemente. En estos casos es necesario un montón de sentido común y, sobre todo, tratar de llegar a un consenso con los demás. Entre los puntos de interacción, hay un punto muy importante es aprender a respetar el "no" que oímos. No todos no es perjudicial, sin embargo, a veces no puede traer grandes beneficios y traer gran aprendizaje.
    Lo que usted debe recordar siempre en cualquier relación es que no tenemos ningún derecho a solas y así como tenemos que defender nuestros derechos, el otro también tenemos que ejercer este beneficio. Ninguna relación puede basarse únicamente en el "yo", pero sobre todo el "Nosotros". Tenemos que aprender a compartir, dividir, sumar y crecer juntos, maduramos uniformemente. En la vida no somos los únicos que desear, soñar, quieren, tenemos que unir esfuerzos y caminar juntos para que nuestros logros no sólo son nuestros, sino de ambos. Renunciar a los deseos, sueños y deseos en una relación no representa necesariamente una pérdida, sino una ganancia sin precedentes en la madurez, una prueba indiscutible de amor. No podemos seguir sosteniendo en vivo las cosas materiales ace pensar que si los grandes logros de la vida eran que los que tenían el éxito material y están acomodados económicamente sería completamente feliz mientras reinado desafortunado interminable aquellos que todavía están rastreando en busca de sus logros . El amor tiene que ver con el y nada que ver con el exterior. Podríamos tener todo en la vida y todavía se siente vacía y solitaria, y podría no nada y vivir felices como si nada en el que falta.
    Una relación sólida, bien construida, no es uno donde no es la ausencia de conflicto, cada relación, cada interacción es conflictiva, pero fuertes relaciones base se guían por valores como principios éticos y morales, el respeto y la responsabilidad, dedicación y paciencia, madurez y el sentido común. Por ahora estoy aquí, espero que te haya gustado y si te gusta, compartir, deja tu comentario. Gracias por su visita.

     Texto escritor brasileño, Tony Casanova. Derechos de autor reservados. La copia, el collage, la reproducción total o parcial de cualquier tipo o difusión en cualquier medio sin permiso previo y por escrito del autor. La violación de estos derechos constituye un delito según la legislación brasileña y la protección de la Internacional de Autor y Propiedad Intelectual y es castigo legal pasiva aplicables según la legislación vigente.


     

Seguidores do Google