Ao mestre dos mestres - Castro Alves, o poeta dos escravos.


De posse dos meus devaneios poéticos, brotam estas flores da paixão que me queima e da inspiração que me acende produzindo estes frutos que denomino de versos. Que posso eu dizer do talento? Que é um texto disparado a partir de uma palavra que o inspirou? Que é uma tela que surge a partir do olhar do pintor? Posso então dizer que há mais na mensagem filosófica que na estilística? Como não rir com farfalhada emoção diante de versos coloridos a metonímias e hipérboles, metáforas e parábolas? Diante das fanáticas exclamações que vejo ao olhar-me no espelho, concluo que a arte me alimenta com sua perfumada fumaça tênue, semelhante a dos incensos. Sou um consumidor irrefreável de arte e quase como um doente, preciso deste remédio para viver. Agora mergulho no som do silêncio e através dele me ponho a pensar no maior de todos os meus mestres e a ele minha mente se rende, deixando escapar as palavras que nunca pronunciei:
O som dos meus pensamentos, povoados de figuras de estilo, me conduz a Castro Alves, o poeta dos escravos. Também eu me aborreço com a tosa das liberdades e ainda que fraco, solto meu grito rouco esperando que ele possa ecoar aos quatro cantos. Castro Alves gritava em seus versos os gritos dos negros no açoite, deles se compadecia e os defendia atacando com poemas dilacerantes todos os escravocratas de seu tempo. Negro de verso e alma, corpo e atitudes, o poeta dos escravos hoje descansa, mas seus versos ainda grita e seu grito permanece forte como antes. O poeta, cujos versos eram espadas que desejavam cortar as correntes e promover a alforria geral, colocou sua arte, sua voz e sua vida a disposição dos negros do seu povo. Armado de inteligência e munido de um espírito guerreiro incansável e imbatível, ele combateu a escrevidão e seus poemas certamente não só ajudaram a libertar um povo oprimido, mas a inspirar e libertar vários autores que admiravam a coragem do seu estilo e a ousadia dos seus versos.

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais reservados ao autor.
Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google