Homenagem - Salve, salve a Bahia de todos os santos.


A Bahia de todos os Santos, todos os ritmos e todas as raças, Bahia de Salvador, do carnaval e do esplendor, orgulho a mil pelo fato de ter sido a primeira capital do Brasil. Terra do petróleo e de riquezas, de Porto Seguro, das mulatas e da beleza. Terra dos negros e dos navios negreiros, da luta, da dor, da alegria, terra de escravidão e libertação, da alforria. Bahia nação dos Castro e dos Alves, terra de Castro Alves, também do afro cultural, do rastafári, Bahia, Bahia como nunca se viu berço de atabaques e agogôs, bongôs, uma Africa no Brasil. Bahia dos guetos e do Araketu, do Tatau, Bahia de Gil, Caetano e de Gal. Bahia de Ivete, de Nana e de Dorival. Bahia do Pelourinho, do Dodô, Osmar e Armandinho, do imaculado Jorge Amado. Bahia de tantos afoxés, dos ilês e aiês, Bahia de tantos axés.
A linda Bahia dos timbaus, dos quilombos, dos poetas e berimbaus. Um Estado em estado pleno de efervescente alegria, Brasil dos negros, Brasil dos pobres, Brasil dos Brasís das riquezas de etnias, assim é a terra batizada e abençoada carinhosamente de Bahia. Em cada Tom, vários tons e lá o Dó vira dodô e também Armandinho, Bahia de Fonte Nova e boas águas que emanam Daniela, Cláudia Leitte, a Bahia do acarajé, Abará e do Azeite, dos filhos de Gandhi, das águas musicais que lavam as escadas do Bonfim. A Bahia ilustre de Rui Barbosa, Bahia dos doces e da Dulce, Bahia dos Canudos, do Zumbi, da capoeira, do samba e das rodas, Bahia do porvir. A Bahia de um povo aguerrido que transformou um choro engasgado no passado na bandeira de luta que os conduziu ao presente e os lançará no futuro. Povo que tirou das lágrimas as notas musicais para embalar suas vitórias. Bahia de Vitória, terra de muito sangue, suor e glória, onde chove tradição e cultura, onde se chora cantando e na dança, se conquista a Liberdade. Bahia de raízes fortes, presentes não só nas cultura e na tradição, mas na vida baiana. Uma terra que veio da terra, dos pés no chão, dos índios, dos negros e dos brancos, de uma aquarela de miscigenação. Bahia colorida de várias nações, vários sons, vários sabores. Bahia de todos os santos, uma terra alegre e por assim ser, peço humildemente para armar-me de extrema ousadia poética e afirmar que as Naus que aportaram em Porto Seguro naquele dia, não só descobriram o Brasil, descobriram também a Bahia. Hoje uma terra de cores, sabores e sons variados arrastando ao futuro toda riqueza do passado, terra que colore a pinceladas de harmonia, a dor, a força e a saga deste povo nativo e alegre de um paraíso chamado Bahia.

Texto de Tony Casanova - Diretos Autorais reservados ao autor.
Facebook - tony.casanova1
Twitter - prodacultural

Seguidores do Google