Drogas - A Epidemia do Terceiro Milênio.


Durante o percurso da minha vida religiosa, dediquei-me a pesquisar os assuntos relacionados ás drogas. Esta pesquisa era importante para o desenvolvimento do trabalho eclesiástico para a retirada e recuperação de dependentes de drogas das ruas. Pesquisei sobre diversos tipos de drogas como LSD, Maconha, Heroína, Crack , Ópio e Cocaína. Estarrecido li sobre os efeitos destas drogas no organismo humano, mas meu objetivo não eram os efeitos e sim as causas. Minha pergunta principal era o que levava um indivíduo a consumir substâncias reconhecidamente perigosas ao homem?
Na época haviam várias campanhas contra as drogas, mas sempre campanhas paliativas. Nunca acreditei que mostrando os efeitos do uso de drogas fosse relevante aos jovens, eles que são a fatia mais fisgada deste mal social. A origem das drogas na vida do ser humano, na minha opinião, antecede seu uso. Não está em classe social. Não está na sociedade como um todo, mas na sua célula: A família. O maior campo de atuação orgânica das drogas é o psicológico, através da dependência psíquica. A mente fica condicionada à necessidade daquela droga e sem ela as reações são terríveis
Perca da Identidade Social – O indivíduo não se vê mais como parte da sociedade, considera-se o estorvo dela, o expurgo. Não há mais respeito ás Leis ou a Ética Social.
Perca da Identidade Familiar – O indivíduo perde completamente seu vínculo familiar e não sente-se mais como parte da família. Não há mais respeito às autoridades paternas e maternas.

Somente estas duas reações são suficientes para desencadearem uma série de outras, num efeito dominó onde a sequência de reações é variável de indivíduo para indivíduo. Com a dependência psíquica, o usuário não consegue reação sobre sua vontade de parar com o uso das drogas e passa a acreditar que sua vida sem ela pioraria. Isto se deve devido ao efeito da Crise de Abstinência que ocorre quando o usuário fica um período sem usar a substância para promover a limpeza orgânica. Durante a crise de abstinência o usuário torna-se agressivo, deprimido, antissocial e violento. Agride a si e a quem estiver por perto e é capaz de fazer qualquer coisa para conseguir a droga. Devido a esta crise aumenta a sequência de roubos domésticos, o número de latrocínios (roubo seguido de morte) e homicídios (assassinatos), além de assaltos e outros crimes.
Os tratamentos são sem efeito, na minha opinião porque não adianta limpar o organismo sem que se cure o psicológico. A dependência é psicológica, portanto perdurará independente da limpeza orgânica e a parte mais importante do trabalho de recuperação está na origem psicológica. A palavra-chave é : Dependência! Resolvamos esta questão e recuperaremos o indivíduo. O trabalho deveria ser feito em seu ponto de origem: A Célula Familiar. Dai partem os novos viciados. Lógico que vários setores devem estar unidos no combate este terrível e epidêmico mal social. O setor de Saúde, o de Segurança Pública, o de Assistência Social e o de Educação, mas acima de tudo as famílias devem cooperar nesta luta.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer espécie ou em qualquer meio sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 By Brasilian Writer Tony Casanova – All Rights Reserved.

Seguidores do Google