Para que servem as guerras? - By Tony Casanova.


"Em nome da Garantia da Soberania", dizem. "Na prática da Defesa Nacional", afirmam. "Na defesa dos interesses da Nação", garantem. Mas afinal como podemos viver socialmente se vidas humanas são ceifadas em troca de valores materiais? Quanto vale a vida de um militar ou mesmo a de um civil? Uma coisa, no meu parco entendimento é defender-se de um ataque e outra coisa é atacar. O que está por trás das disputas realmente? Não entendo a razão de um ser humano armado, disparar impiedosamente contra outro que individualmente nunca lhe fez nada, até porque talvez nem lhe conheça. É cada vez maior o número de civis que tombam nas batalhas que nunca travaram. A humanidade está sendo dizimada apenas para garantia dos interesses de alguns. Alguns que diga-se de passagem nunca estiverem perto de uma trincheira. Desculpem pelo uso da palavra trincheira, coisa do passado, hoje já existem os Drones, aviões de espionagem não tripulados e mísseis teleguiados de longo alcance, assim os aliados não perecem, apenas o "inimigo". Nas guerras esquece-se a palavra Humanidade, Cidadania e Paz. Nas guerras senhores, a única inteligência é a militar e o belo é substituído pelo bélico, a vida pela morte. A Poesia na guerra é chamada "Deserção" e é severamente punida nas Cortes Marciais. Não há espaço para o amor, apenas para o Patriotismo onde a vida do outro não vale nada. O assunto, infelizmente é indigesto, mas um mal necessário para que vejamos em que ponto chegamos. Vamos enfim nos destruir. Vamos conduzir á morte milhares de famílias inteiras por conta da Soberania e dos Interesses Nacionais. Mas meus amigos, o que há de mais interessante nesta história toda é que as mesmas bocas que declaram as guerras pedem do povo lições de Cidadania. Queremos um mundo civilizado, com uma população mais humana, mais tolerante e justa, mas como lançar para baixo do tapete, todos os corpos que tombaram nas guerras que praticamos? Toda Nação é Soberana, todo Nação possui seu povo. O mundo é composto por uma única espécie: a Espécie Humana. A mesma que dizimamos nas guerras. Amor, pra que amor se temos as guerras! Coração, quem precisa dele a não ser para dar-lhe um tiro certeiro?
Com as guerras a Humanidade olha para o espelho e dispara em seu próprio reflexo. Estamos praticando suicídio! Agimos como cegos atirando no que aparece, mas somos nós mesmos diante das nossas armas, ali, inertes, esperando o tiro de misericórdia para acabar com o bem mais precioso que temos: A Vida. Somos sim, culpados pela morte de todos os inocentes que se foram na guerra, porque inocentes são os que morrem, mas os culpados permanecem vivos e impunes, celebrando a vida regada a sangue dos que partiram.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova. Direitos Autorais Reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer espécie ou em qualquer do todo ou em parte,sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brasilian Writer Tony Casanova - All Rights Reserved.

Seguidores do Google