Segredos para amar. [Tony Casanova]


Segredos para amar


Ela não sabia porque seu corpo sempre estremecia quando seus olhos encontravam os dele, mas aquela sensação era tão mágica, tão especial que nem precisava entender, bastava sentir. Tudo começou quando eles esbarraram em uma movimentada rua. Durante o incidente as pastas que vinham segurando foram ao chão, misturando os materiais. Por sorte eram papéis, não havia nada frágil que pudesse quebrar-se e machucar alguém. Trocaram um olhar nada romântico enquanto ainda catavam as folhas no chão. Refeito da raiva inicial que tivera, ele resolveu ajudá-la a recolher os papéis e ela com um sorriso agradeceu. Mais uma vez os olhares se encontraram, mas agora vieram junto com um sorriso nos lábios.. Ele desculpou-se pela distração e disse que a culpa daquele esbarrão teria sido sua. - Esquece. Disse ela enquanto levantava-se. Sentiu a mão forte dele segurando seu braço para ajudá-la. - Bem, estou indo. Bom te conhecer, meu nome é Gardênia.

O meu é Pedro, Gardênia. Lindo nome. As Gardênias são as flores mais lindas que existe.
Você gosta de flores?
Adoro. Penso em fazer faculdade para Botânica.
Hum! É raro encontrar um homem que goste desta área nos dias de hoje.
Pois é. Escuta, já que estamos aqui conversando, posso te pagar um sorvete? A sorveteria é logo ali, você topa?
Isto não vai te atrapalhar? Você parecia tão apressado.
Não, não! Tenho tempo livre, vamos lá.
Seguiram na direção da sorveteria. A conversa fluía entre eles. Pareciam velhos amigos alegres e sorridentes. Despediram-se após conversarem bastante, trocaram os números de telefones, assim poderiam continuar em contato. Dez minutos após a chegada de Gardênia seu telefone tocou. Olhou e sem reconhecer o número, atendeu:

Alô, quem é?
Oi Gardênia, sou eu Pedro, de agora há pouco na sorveteria lembra?
Oi Pedro, tudo bem?Poxa, desculpa é que cheguei agora e ainda não tinha posto teu número na agenda do celular.
Tudo bem sim. É que cheguei agora também e olhando aqui encontrei algumas folhas que são tuas. E agora, como faço para te entregar?
Pode ser hoje a noite Pedro. Estarei em casa. Você pode vir aqui?
Isso não vai te causar problemas...tipo...teu namorado....
Pedro, eu não tenho namorado e além disso você só vem entregar as folhas não é?
Pedro!!! Não é?
É sim Gardênia, É.

Aquela noite ficara marcada na vida de Pedro e Gardênia para sempre. Tão logo ele chegou e ela o viu parado na sua frente, lindo, cheiroso e com aquele sorriso tímido, ela segurou sua mão e o trouxe para sí enquanto fechava a porta. Beijaram-se com sofreguidão. Pareciam estar no desespero absoluto um do outro. Mal conseguiam respirar entre os beijos e carícias. Pedro parecia ter fogo nos lábios e da forma como beijava Gardênia a incendiava inteira. A moça de úmida passou a molhada e seus olhos já não pediam, imploravam para ser dele. Se entregaram sem segredos, sem receios e sem preocupações. Descobriram naquela noite que a vida escondia muitos mistérios, mas não havia segredo para amar.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova – Direitos Autorais Reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova. All Rights Reserved.

Seguidores do Google