Casamento - As razões da desconfiança [Tony Casanova]


Todos nós sabemos o que é ideal em uma relação a dois, mas saber é a parte mais fácil, o difícil é fazermos este ideal acontecer. Falo isso das duas partes envolvidas. Durante o primeiro encontro sonhamos, idealizamos estes sonhos como se praticamente já estivessem realizados. Movidos pela paixão nos tornamos capazes de qualquer feito, antes considerado absurdo. Não é só nas relações que sentimos dificuldades de assumirmos um erro, isto ocorre em todos os âmbitos da vida. Tememos a humilhação por não aceitarmos a inferioridade diante do outro. Uma ação do tipo representaria para nós uma quebra no orgulho próprio, algo considerado inaceitável.
Por tudo que já foi dito aqui, obviamente que não é nada agradável lidar com a desconfiança do outro, mesmo sabendo que é preciso ter tolerância para que consigamos manter a relação estável. As desconfianças surgirão, inevitavelmente ao longo da relação, seja ela boa ou não. A suspeita não está condicionada ao fato da relação estar bem, pelo contrário, uma boa relação de anos pode vir abaixo em apenas um dia. O nascimento da desconfiança provém das atitudes de cada um, por isso você deve se perguntar, antes de partir pra cima do outro e encarar uma discussão; Até que ponto o outro está certo nas suas dúvidas?
Que tipo de atitude você poderia ter feito a ponto de levantar dúvidas no outro? Estas e tantas outras respostas não cabem a mim responder, mas a você. Por quantas vezes você também não já desconfiou, teve dúvidas sobre determinadas atitudes do outro? Você também julgou e condenou a uma sentença que hoje você acha pesada. Em qualquer relação é preciso ter coerência, sensatez. Recriminar o outro por sua desconfiança é tão válido quanto quando você foi condenado(a) pelo mesmo motivo. É importante colocar-se em lugar do outro para entendê-lo antes de ditar uma sentença, até porque você gostaria que fosse assim contigo.
As relações humanas são assim mesmo, complexas e nem sempre agradáveis, mas é durante estes percalços que demonstramos estar um passo adiante. Ninguém prova o amor que sente quando declara sua desconfiança, isto é lógico! Mas em contrapartida não há quem não fique em dúvida diante de determinadas atitudes, concorda? Então mais uma vez te pergunto: Até que ponto o outro está certo nas suas dúvidas? Repense todas as tuas atitudes, mas pense com coerência, seja sensato, você ficaria na dúvida se o outro fizesse o mesmo? Está ai o ponto para reflexão.
Quando as desconfianças não possuem fundamentos, se estamos com a razão precisamos expor isto de forma a apagar todas as incertezas, deixando transparecer toda verdade dos seus atos e mostrar que houve um equívoco na desconfiança, mas não há necessidade alguma de promover brigas e discussões por isto. Desconfiar é um Direito de todos nós, não há Lei que nos obrigue a ter fé em algo duvidoso. Alguém maduro sabe lidar bem com conflitos, mas nem todos tem um nível de maturidade suficiente para negociar uma situação do tipo. Tudo que podemos fazer é esclarecer as dúvidas e tomar cuidado com atitudes que possam conduzir o outro ás desconfianças, afinal ninguém desconfia por acaso, a menos que seja doentio.
É comum exigirmos do outro que confie em nós, que cobremos a confiança como se ela fosse exclusivamente nossa e que haja no outro a obrigação de confiar, mas nada disso é aplicável. Confiança é algo que se conquista através de atitudes, não um prêmio que sentimos que temos direito porque somos amados. Se queremos confiança devemos nos tornar dignos dela através da honra aos nossos compromissos e atitudes que não ponham em dúvida o direito que temos a ser acreditados.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova. Direitos Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova.

..............................................................................................................

Marriage - The reasons for distrust. [Tony Casanova]

  We all know what is right in a relationship for two, but knowing is the easy part, the hard part is making this dream happen. I mean that the two parties involved. During the first meeting we dream, envision these dreams almost as if they were already done. Driven by passion we become capable of any feat, once considered absurd. Not only in relationships that feel difficult to assume an error, this occurs in all spheres of life. We fear the humiliation by not accepting the inferiority of the other. An action type represent for us a break on own pride, something considered unacceptable.
    For all that has been said here, obviously it is not pleasant to deal with distrust of each other, even though we must have tolerance so that we can maintain a stable relationship. Suspicions arise, inveitavelmente throughout the relationship, whether it is good or not. The suspicion is not conditioned on whether the relationship is good, on the contrary, a good relationship for years can come down in one day. The birth of mistrust stems from the attitudes of each, so you should ask yourself before starting to face up and the other a discussion; The extent to which the other is right in your questions?
    What kind of attitude you might have done enough to raise doubts in the other? These and many other answers do not fit me answer but you. How many times you did not already guessed, had doubts about certain attitudes of the other? You also tried and condemned to a sentence that you feel heavy today. In any relationship you have to have consistency, reasonableness. Blaming each other for their distrust is as valid as when you were convicted (a) for the same reason. It is important to put yourself in someone else's shoes to understand it before dictating a sentence, because you wish it were you.
    Human relationships are anyway, complex and not always pleasant, but it is during these mishaps that have demonstrated to be one step ahead. Nobody proves the love he feels when he declares his distrust, this is logical! But on the other hand there is no doubt who do not stay in front of certain attitudes, agree? So once again I ask you: To what extent the other is right in your questions? Rethink all your attitudes, but think coherently, be sensible, you would be in doubt if the other do the same? Is there a point for reflection.
   When suspicions have no grounds if we are the reason we need to expose it so clear all uncertainties, making clear the whole truth of their actions and show that there was a mistake in distrust, but there is no need to promote fights and arguments by it. Suspect is a law for all of us, there is no law that requires us to have faith in something dubious. Someone mature knows how to deal with conflict well, but not everyone has a level sufficient to negotiate a situation such maturity. All we can do is answer questions and take care of attitudes that can lead to mistrust another ace as nobody suspects by chance, unless it is sickening.
    Often we demand of others who trust us, be charging the trust as if it were ours alone and that there is an obligation to the other trust, but none of that applies. Trust is something that is earned through actions, not an award we feel we have a right because we are loved. If we trust we should become worthy of it through honor our commitments and attitudes that do not put in doubt the right we have to be accredited.

   Text of the Brazilian writer Tony Casanova. Rights reserved to the author. Prohibited the copy, paste, reproduction or dissemination of any kind in any medium, of the whole or part without the express permission of the author under penalty notices Brazilian ace Laws to Protect Copyrights.
    Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova.

.............................................................................................

Matrimonio - Las razones para la desconfianza. [A Tony Casanova]

  Todos sabemos lo que es correcto en una relación de dos, pero saber es la parte fácil, la parte difícil es hacer este sueño realidad. Quiero decir que las dos partes involucradas. Durante la primera reunión que soñamos, imaginar estos sueños casi como si ya se realizan. Impulsados por la pasión nos volvemos capaces de cualquier hazaña, una vez considerado absurdo. No sólo en las relaciones que se sienten difícil de asumir un error, esto ocurre en todas las esferas de la vida. Tememos la humillación por no aceptar la inferioridad del otro. Un tipo de acción representa para nosotros un descanso en el propio orgullo, algo que se considera inaceptable.
    Por todo lo que se ha dicho aquí, es obvio que no es agradable para tratar con la desconfianza de unos a otros, a pesar de que hay que tener tolerancia para que podamos mantener una relación estable. Las sospechas surgen, inveitavelmente largo de la relación, si es bueno o no. La sospecha no está condicionada a si la relación es buena, por el contrario, una buena relación desde hace años puede venir abajo en un día. El nacimiento de la desconfianza se debe a las actitudes de cada uno, por lo que debe preguntarse a sí mismo antes de empezar a hacer frente y el otro una discusión; La medida en que el otro es justo en sus preguntas?
    ¿Qué tipo de actitud que usted podría haber hecho lo suficiente para poner en duda en el otro? Estas y muchas otras respuestas no se ajustan a contestar, pero usted. ¿Cuántas veces usted no se había dado cuenta, tenía dudas acerca de ciertas actitudes de la otra? También juzgado y condenado a una pena que se siente pesado hoy. En cualquier relación que usted tiene que tener consistencia, razonabilidad. Echarle la culpa unos a otros por su desconfianza es tan válida como cuando usted fue condenado (a) por la misma razón. Es importante ponerse en los zapatos de otra persona para entenderla antes de dictar una sentencia, porque desea que usted fuera.
    Las relaciones humanas son de todos modos, compleja y no siempre agradable, pero es durante estos contratiempos que han demostrado estar un paso por delante. Nadie demuestra el amor que siente cuando declara su desconfianza, esto es lógico! Pero por otro lado no hay duda de que no se quedan en frente de ciertas actitudes, de acuerdo? Así que una vez más me pregunto: ¿Hasta qué punto el otro es justo en sus preguntas? Repensar todas sus actitudes, pero pensar de manera coherente, sensato, usted estaría en duda si el otro haga lo mismo? ¿Hay un punto de reflexión.
   Cuando las sospechas no tienen motivos si somos la razón por la que tenga que exponga de manera clara todas las incertidumbres, por lo que borrar toda la verdad de sus acciones y demostrar que había un error en la desconfianza, pero no hay necesidad de promover peleas y argumentos por ella. El sospechoso es un derecho para todos nosotros, no hay ninguna ley que nos obliga a tener fe en algo dudosa. Alguien madura sabe cómo lidiar con el conflicto así, pero no todo el mundo tiene un nivel suficiente para negociar un tal madurez situación. Todo lo que podemos hacer es responder a las preguntas y cuidar de las actitudes que pueden conducir a la desconfianza otro as como nadie sospecha por casualidad, a menos que sea repugnante.
    A menudo exigimos de otros que confían en nosotros, ser la carga de la confianza, como si fuera la nuestra solo y que hay una obligación de la otra confianza, pero nada de eso se aplica. La confianza es algo que se gana a través de acciones, no un premio sentimos que tenemos derecho porque somos amados. Si confiamos en que debemos llegar a ser dignos de ella a través de honrar a nuestros compromisos y actitudes que no ponen en duda el derecho que tenemos a ser acreditado.

   Texto de la escritora brasileña, Tony Casanova. Derechos reservados al autor. Prohibida la copia, pasta, reproducción o difusión de cualquier tipo en cualquier medio, de la totalidad o parte, sin la autorización expresa del autor bajo pena da cuenta de Leyes crack brasileño para proteger los derechos de autor.
    Copy Right 2014 por el escritor brasileño, Tony Casanova.

Seguidores do Google