E assim caminha a humanidade. [Tony Casanova]


Em 1994 o Cantor e Compositor Lulú Santos lançou pela BMG, seu álbum intitulado “Assim caminha a humanidade”, contendo a música com o mesmo título e que transformou-se em mais um dos sucessos do cantor. Em 1956 o cinema americano lança “Giant' que foi traduzido para o Brasil com o título “Assim caminha a humanidade”. O filme foi estrelado por Elizabeth Taylor, Rock Hudson, James Dean, Carroll Backer e Dennis Hooper. O tema humanidade sempre esteve em destaque nas previsões, na música e na arte em geral. Diga-se de passagem que este é um tema complexo, de certa forma subjetivo o suficiente para produzir raízes em conceitos de uma variação impressionante.
Falar da humanidade é criar reflexos sobre suas paixões, sua evolução, seu destino. Infelizmente é impossível observarmos a humanidade de forma homogênea e harmônica dada a variedade de culturas, hábitos e costumes de cada população. Sub-dividida em tradicional e conservadora, modernista e avançada ou mesmo transitória, a humanidade torna-se mais fácil de ser entendida. Os Orientais por exemplo; São muito conservadores das suas tradições milenares e apesar de uma parte da população ter aderido ao modernismo, uma grande fatia deste povo ainda conserva seus hábitos e costumes. O Ocidente no entanto está em constante mutação, apresentando novos hábitos e criando novos costumes.
Muitos povos vivem de forma a preservar sua Cultura nativa e seus costumes permanecem inalterados sendo transmitidos de geração a geração. Mas a humanidade não deveria evoluir como um todo? Não necessariamente. A evolução é apenas uma etapa que pode ser aceita ou não, portanto não existe regras para isso. Não há um regulamento que obrigue os humanos a mudarem. Cada população decide se vai ou não aderir a novos hábitos e costumes ou preservar suas tradições. Acho justo que seja assim. Enquanto nós não conseguimos viver sem a tecnologia, existem povos que abominam o uso de equipamentos eletrônicos e vivem felizes sem eles. E não estou aqui a falar de indígenas, mas de populações inteiras de um povo civilizado que prefere a vida chamada por nós de “precária”, que optar por prazeres modernos como internet, notebooks, smartphones, tablets e celulares.
Pensar em como parte da humanidade vive de forma “primitiva” é para alguns algo assustador, mas é perfeitamente normal. O progresso e o modernismo teimam em avançar em busca das civilizações conservadoras, mas estas parecem resistir procurando manter-se conservadoras. Com isso ganhamos todos nós que conseguimos aliar harmonicamente novos costumes e culturas com os bons e velhos hábitos. Certamente todos iremos evoluir, obviamente que não no mesmo compasso, mas haverá evolução para todos. Diante deste prognóstico, só me resta repetir a frase: “E assim caminha a humanidade”.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova. Direitos Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova.

Seguidores do Google