Comportamento | Baixa-autoestima, um problema. [Tony Casanova]


Nesta matéria de hoje, o assunto tema é de suma importância, não por ser um tema novo, ele assola a humanidade há muitos séculos. Também não é porque seja um problema evidente no século XXI, mas por ser uma questão que envolve comportamento humano. Hoje falarei sobre baixa-autoestima. Nós sabemos que tudo que estimamos damos valor, aceitamos e sentimos orgulho. Quando falamos em autoestima estamos falando do que sentimos por nós, o que achamos, o que aceitamos e valorizamos. Obvia e naturalmente, tudo que é harmônico deve ser equilibrado, equacionado de acordo que nossos sentimentos nem pendam para baixo ou estejam para o alto.
É saudável gostarmos de nós, nos aceitarmos sem a preocupação de ficar policiando nosso peso, idade ou mesmo a forma física. Por entendermos bem a vida, sabemos que entre as espécies animais, digo todas elas, não somente o Homem, existem diferenças. Peculiaridades que os diferencia. A grande questão é que entre os animais não existe o comércio, o interesse financeiro e o famigerado mercado da moda. Obviamente que não podemos colocar a culpa da baixa-autoestima de todas as mulheres que sofrem com este mal na indústria da moda. Evidente que não! O que ocorre é que este mercado influencia muito neste processo porque mexe de forma significativa com a vaidade, o ego feminino. É enorme o universo feminino que sonha com a oportunidade de destaque no mundo fashion, mas são barradas pelo peso, pela idade e algumas vezes pela cor. Eu estaria mentindo se dissesse que a raiz da problemática da baixa-autoestima é esta. Não é.
Todas as questões envolvendo a baixa-autoestima nascem do indivíduo para a sociedade e não da sociedade para o indivíduo. São problemas oriundos da forma como o indivíduo se aceita diante dele mesmo. Quando alguém se gosta do jeito que é e reconhece seus próprios valores ocorre o equilíbrio na balança da estima, mas se isto não ocorrer a pessoa fica a mercê dos julgamentos sociais e deixa-se envolver por opiniões externas nocivas. Infelizmente não são poucas pessoas que sofrem com esta questão. Porque acontece? Ora, acredita-se que por conta da vaidade feminina e quanto maior a vaidade, mais propensa a mulher a ter problema de baixa-autoestima. É comum as mulheres conservarem sonhos, desejos relativos à beleza pessoal, ao destaque e reconhecimento. Muitos destes sonhos vão ficando pelo caminho com a chegada da idade, elas desistem por acreditarem que não são mais capazes de terem charme, beleza, sensualidade. Um erro que infelizmente tem tirado a paz de muitas pessoas que entram em processo depressivo.
O período de baixa-autoestima é bastante delicado, difícil de se lidar e é recomendado a consulta a especialista que irão ajudar na restauração do indivíduo. É algo bastante sério e que precisa ser tratado para que não evolua para a completa debilidade emocional. É comum pessoas neste estado isolarem-se ou evitarem contatos externos. O sofrimento é algo oculto, mas forte, muito forte. A alegria perde seu espaço, os sorrisos se tornam raros e o choro está sempre presente em momentos secretos. O ânimo diminui e as atividades também. A mulher não se enxerga mais como uma figura atraente. Olha-se no espelho e não se encontra, arruma-se e mesmo assim não se sente bem e nos ambientes ela pensa estar sendo observada não pela beleza, mas pelos pontos que critica em si mesma. Por esta razão ela isola-se, sente-se vitimada, incapaz. É como se entrasse em um buraco sem fundo onde ela só sente a queda, nada mais!
Porém nem todo período de baixa-autoestima tem a ver com a moda, com elementos ligados à beleza, mas com o modo como a mulher vê a outras e encara a si mesma. Tem a ver como ela se aceita ou se reprime por não conseguir olhar o mundo sem desejar a beleza do que vê. A raiz do problema não está na beleza da mulher, no seu peso ou nas suas formas, mas na sua mente. A fragilidade a torna debilitada, mas é possível resgatar-se amando-se e aceitando-se. Revelando seus valores e sabendo orgulhar-se antes do mundo que a vê.

Texto do escritor Tony Casanova . Direitos Autorais Reservados ao autor. Estão proibidas as cópias, colagens, divulgação em qualquer meio ou reprodução de qualquer natureza, do todo ou parte desta obra , sem a autorização expressa do autor sob pena de transgressão ás Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Intelectuais. O desrespeito implicará na aplicação das Sanções Penais cabíveis de acordo com a Legislação em vigor.

.......................................................................................................................

Behavior | Low self-esteem, a problem. [Tony Casanova]

In this matter today, the subject matter is of paramount importance, not because it is a new theme, it devastates humanity for many centuries. It is also not because it is an obvious problem in the XXI century, but because it is an issue that involves human behavior. Today I will talk about low self-esteem. We know that everything we value estimate, we accept and we are proud. When we talk about self-esteem are talking of what we feel for us, what we think, what we accept and value. Obvious and of course, everything is harmonious must be balanced, equated according to our feelings or hang down down or are in the air.
   It is healthy we like we accept ourselves without the worry of running policing our weight, age or even the physical form. Because we understand well the life, we know that among the animal species, say all of them, not only humans, there are differences. Peculiarities that differentiates them. The great thing is that among animals there is no trade, financial interest and the infamous fashion market. Obviously we can not put the blame low self-esteem of all women who suffer from this evil in the fashion industry. Obviously not! What happens is that this market influences a lot in this process because it moves significantly with vanity, the female ego. It's huge the female universe who dreams of the outstanding opportunity in the fashion world but are barred by the weight, age and sometimes by color. I'd be lying if I said the root of low self-esteem of the problem is this. It is not.
   All matters involving low self-esteem born of the individual to society, not society to the individual. They are problems arising from the way the individual is accepted on his own. When someone like the way it is and recognize their own values ​​is the balance in the balance of estimates, but if this does not occur the person is at the mercy of social judgments and allowed to engage in harmful outside opinions. Unfortunately are not many people who suffer from this issue. As it happens? Now it is believed that due to the feminine vanity and the greater vanity, more likely the woman to have low self-esteem problem. It is common for women to retain dreams, desires regarding the personal beauty, the prominence and recognition. Many of these dreams fall behind with the coming of age, they give up because they believe are no longer able to have charm, beauty, sensuality. An error which unfortunately has taken the peace of many people who come into depressive process.
   The low self-esteem period is very delicate, difficult to handle and it is recommended to consult a specialist who will help in the individual restoration. It is something very serious and needs to be treated to prevent development of full emotional weakness. Often people in this state it is isolate or avoid external contacts. Suffering is something hidden, but strong, very strong. Joy loses her space, the smiles become rare and the cry is always present in secret moments. Sentiment decreases and activities as well. The woman does not see more like an attractive figure. Look in the mirror and is not, gets dressed and still not feeling well and the environments she thinks being watched not for beauty but for points that criticizes itself. For this reason it is isolated, feels victimized, helpless. It is as if entered into a bottomless hole where she just feels the fall, nothing else!
   But not every low self-esteem period has to do with fashion, with elements connected to beauty, but with the way women see the other and sees herself. It's about how it accepts or is repressed for failing to look at the world without desiring the beauty of what you see. The root of the problem is not in the beauty of women in their weight or their ways, but in your mind. The fragility makes it weak, but you can redeem yourself is loving and accepting yourself. Revealing their values ​​and knowing boast before the world sees it.

    Text writer Tony Casanova. Copyright reserved to the author. Prints, collages, disclosure or reproduction in any medium whatsoever, of all or part of this work without the express permission of the author under penalty of transgression ace Brazilian law and International Protection to Intellectual Rights are prohibited. Failure to comply will result in the application of appropriate criminal penalties in accordance with the legislation in force.

...................................................................................................................................

Comportamiento | baja autoestima, un problema. [A Tony Casanova]

En este asunto de hoy, el tema es de suma importancia, no porque sea un tema nuevo, que devasta la humanidad durante muchos siglos. Tampoco se debe a que es un problema evidente en el siglo XXI, sino porque es un tema que involucra la conducta humana. Hoy voy a hablar de una baja autoestima. Sabemos que todo lo que valoramos estimación, aceptamos y nos sentimos orgullosos. Cuando hablamos de autoestima están hablando de lo que sentimos por nosotros, lo que pensamos, lo que aceptamos y valor. Obvio y por supuesto, todo es armonioso debe ser equilibrada, equiparado según nuestros sentimientos o colgar abajo abajo o están en el aire.
   Es saludable que nos gusta nos aceptamos a nosotros mismos sin la preocupación de quedarse policiales nuestro peso, edad o incluso la forma física. Porque entendemos bien la vida, sabemos que entre las especies animales, dicen todos, no sólo los seres humanos, hay diferencias. Peculiaridades que los diferencia. Lo bueno es que entre los animales no hay comercio, el interés financiero y el mercado de la moda infame. Obviamente no podemos echar la culpa la baja autoestima de todas las mujeres que sufren de este mal en la industria de la moda. Obviamente no! Lo que pasa es que este mercado influye mucho en este proceso, ya que se mueve de forma significativa con la vanidad, el ego femenino. Es enorme el universo femenino que sueña con la oportunidad excepcional en el mundo de la moda, pero se prohibió por el peso, la edad y, a veces por el color. Estaría mintiendo si dijera que la raíz de la baja autoestima del problema es el siguiente. No lo es.
   Todos los asuntos relacionados con la autoestima baja nacido del individuo a la sociedad, no la sociedad al individuo. Son problemas que surgen de la forma en que el individuo es aceptado por su cuenta. Cuando alguien como la manera que es y reconocer sus propios valores es el equilibrio de la balanza de estimaciones, pero si esto no ocurre la persona está a merced de los juicios sociales y permitió participar en opiniones externas nocivas. Por desgracia no hay muchas personas que sufren de este problema. Como sucede? Ahora se cree que debido a la vanidad femenina y mayor es la vanidad, más probable es que la mujer tenga un problema de baja autoestima. Es común que las mujeres conservan los sueños, los deseos respecto a la belleza personal, la importancia y el reconocimiento. Muchos de estos sueños caen atrás con la mayoría de edad, se dan por vencidos porque creen que ya no son capaces de tener el encanto, la belleza, la sensualidad. Un error que desgraciadamente ha tomado la paz de muchas personas que entran en proceso depresivo.
   El periodo de baja autoestima es muy delicado, difícil de manejar y se recomienda consultar a un especialista que le ayudará en la restauración individual. Es algo muy serio y necesita ser tratado para prevenir el desarrollo de debilidad emocional completo. A menudo la gente en este estado es aislar o evitar los contactos externos. El sufrimiento es algo oculto, pero fuerte, muy fuerte. Alegría pierde a su espacio, las sonrisas se convierten raro y el grito está siempre presente en los momentos secretos. Disminuye Sentimiento y actividades también. La mujer no ve más como una figura atractiva. Mírate en el espejo y no está, se viste y todavía no se siente bien y los entornos que ella piensa ser observado no por la belleza sino por puntos que se critica a sí mismo. Por esta razón se aísla, se siente víctima, impotente. Es como si se ha introducido en un agujero sin fondo donde se siente la caída, nada más!
   Pero no todos los períodos baja autoestima tiene que ver con la moda, con elementos conectados a la belleza, sino con la forma en la mujer ver al otro y ve a sí misma. Se trata de cómo se acepta o se reprime por no mirar al mundo sin desear la belleza de lo que ves. La raíz del problema no está en la belleza de la mujer en su peso o sus maneras, pero en su mente. La fragilidad hace que sea débil, pero puedes redimirte es amar y aceptar a ti mismo. Revelando sus valores y sabiendo alarde ante el mundo lo ve.

    Escritor del texto de Tony Casanova. Derechos de autor reservados al autor. Estampas, collages, divulgación o reproducción en cualquier medio que sea, de la totalidad o parte de este trabajo sin el permiso expreso del autor, bajo pena de la ley brasileña as transgresión y la Protección Internacional de los Derechos Intelectuales están prohibidos. El incumplimiento dará lugar a la aplicación de sanciones penales correspondientes, de conformidad con la legislación vigente.

...................................................................................................................................

Seguidores do Google