Dez coisas que você precisa saber sobre relacionamentos | Tony Casanova


Um relacionamento perfeito e cheio de amor e carinho é um sonho comum, mas é algo que mais está para adolescentes do que para pessoas maduras e com experiência de vida. É claro que amadurecemos perseguindo este sonho, mas quantos outros sonhos deixamos para trás por termos descoberto que eram impossíveis? Hoje muita gente já deixou de pensar em encontrar seu “Príncipe Encantado”, porventura quantas outras ainda não amadureceram e continuam acreditando nisso? Quantas já acreditaram?
Hoje nós sabemos que seres perfeitos não existem, somos humanos tentando relacionar-se e não há possibilidade de encontrarmos alguém com “erro zero” e diante da remotíssima possibilidade, digamos que absurda de encontrarmos alguém assim, nós estaríamos à altura de alguém que estivesse neste nível? Obviamente que não porque esta é a máxima dos relacionamentos; enquanto um estiver apto ao momento do erro, o outro deve estar apto ao momento do perdão. Isto é a manifestação do amor. E a saber não é só o perdão, mas também a paciência quando faltar a calma, o entendimento quando se desentenderem, a mansidão quando houver a agressividade, o entendimento quando houver dúvidas, o perdão quando houverem ofensas e mágoas, enfim este é o amor.
Em uma relação haverão bons momentos, claro, mas também haverão momentos em que precisaremos provar que realmente amamos praticando as virtudes acima. Não devemos considerar como perfeitos apenas os momentos em que tudo dá certo, aqueles em que damos e recebemos carinho, prazer e gentilezas. Todos os momentos em uma relação são perfeitos e são úteis para que provemos aquilo que sentimos, o que somos capazes de fazer pelo outro. É preciso entendermos que são duas pessoas que pensam diferentes e que muitas vezes possuem gostos opostos, desejos desiguais, por isso há dificuldade nos momentos em que é preciso optar por esta ou aquela decisão.
Nos relacionamentos modernos e isto não é de agora, saibam, existe uma guerra fria estabelecida por indivíduos com o pretexto de obter “igualdade” de condições e direitos. É importante que saibamos que no amor esta igualdade já existe, mas não inocenta ninguém pelo “direito” de errar apenas pelo erro do outro. Um erro é sempre um erro, não importa quem o tenha cometido, mas multiplicar erros, isto sim é condenável. No amor estamos corretíssimos quando, diante dos erros, buscamos soluções, mas se invés disso exigirmos o direito de também errar na mesma medida, nos tornaremos ainda piores que aquele que errou.
Ninguém irá resolver relacionamentos buscando culpados, mas buscando soluções. Se realmente houver disposição, meios serão encontrados para reparar o que foi feito e o tempo fará o restante. Aquilo que consideramos errado deve nos puxar à responsabilidade de corrigirmos, repararmos de forma a não deixar vestígios. Voltando à questão dos sonhos e dos “Príncipes Encantados”, estes sonhos quando invertidos tem produzido um efeito péssimo nas pessoas e dado a elas o hábito de descartarem relações para seguir em busca da perfeição em outros. Príncipes ou princesas, reinos encantados, fadas, bruxas e cucas devem permanecer nas fábulas e nunca saírem dali. Devemos abrir os olhos e fazer sempre a nossa parte para solidificarmos nossos relacionamentos sem que ninguém escreva isso para nós. Os problemas surgirão como mágica, mas é com a realidade que devemos lidar com eles e procurar resolvê-los, do contrário só provaremos a nossa incompetência para entender e gerir conflitos.

Texto do Escritor brasileiro Tony Casanova. Direitos Autorais reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução total ou parcial de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio sem autorização prévia e expressa do autor. A violação destes Direitos constitui-se em crime previsto nas Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais e Propriedade Intelectual e está passiva de punição legal cabível de acordo com a Legislação em vigor.           

Seguidores do Google