Conto l Tempestade de Amor l Capítulo l


Capítulo I

O cenário era uma pequena vila de pescadores, lugar paradisíaco onde era possível perceber por entre a vastidão de coqueirais, o mar traçando uma linha no horizonte. Havia entre o céu e o mar daquele lugar um sobretom de azuis espetacular cuja brancura das nuvens servia de contraste. O silêncio era absoluto devido a ausência de veículos e tudo que se podia ouvir eram os cantos dos pássaros e algumas vozes diferenciadas de bichos na mata. Santana dos coqueirais, assim era conhecida a colônia de pesca onde Lauane vivia junto com seus pais. Jovem humilde, vinda de uma família de pescadores, dedicava-se a estudar, cuidar da casa e preparar com as mulheres da casa, os pescados trazidos pelos homens. Este era o costume lá em Santana; os homens saiam para a pesca e as mulheres cuidavam dos afazeres domésticos até que chegassem para prepararem os pescados.
O velho Zé Feijó, pescador antigo na vila e também patriarca da família havia trazido um pescador novo para sua equipe. O rapaz era forte, jovem e tinha experiência de pesca, iria ajudá-los muito na lida com as pescarias. Naquela noite Feijó chegou em casa animado e muito feliz com a pescaria. Trouxeram muito peixe que daria para o consumo da família e sobraria muito para vender. O velho patriarca chegou a dizer que “Carlitos”, o jovem novato lhe trouxera sorte. - O rapaz tem pé quente. Comentou. Na grande sala reuniram-se todos para o jantar. Sentaram e começaram a conversar aguardando as mulheres servirem a janta. Passava das vinte horas e a conversa seguia animada até que chegaram as mulheres trazendo o jantar.
Um tanto desconfortada pela presença do novato, Lauana foi servir-lhe a sopa que trouxera. Falou-lhe com voz abafada:
- O senhor aceita um pouco de sopa?
Aceito sim, obrigado. Como é a sua graça?
- Lauana!
- Prazer senhora Lauana, eu me chamo Carlitos.
Muito envergonhada por conta da timidez, a jovem encerrou a conversa e partiu em direção a cozinha. Ficara intrigada com a forma como aquele estranho a olhara nos olhos. Ele tinha olhos cor de mel, um corpo forte com músculos bem definidos, próprio de rapazes da sua idade. Carlitos tinha 27 anos .Vestia uma camisa regata e uma bermuda Jeans que lhe deixava a mostra as grossas e peludas pernas. Possuía lábios medianos, carnudos e estava de barba aparada. A moça não hesitou em observá-lo discretamente enquanto conversava com os outros. Avermelhou quando percebeu que ele a olhava nos olhos com um sorriso enigmático. Corada desviou o olhar e voltou para a cozinha.
No dia seguinte Lauana já havia acordado quando os homens começaram a aparecer. Estranhamente Carlitos demorou, o que provocou uma leve ansiedade na moça. Intrigada ela queria saber porque sentia-se assim, afinal nem conhecia ele, pensou. Estava de costas servindo ao pai quando ouviu a voz do novato saudando a todos com bom dia. Lauana olhou rapidamente para ele, sorriu levemente e respondeu:
- Bom dia seu Carlitos.
- Bom dia Lauana! Mas por favor, chame-me apenas de Carlitos. Assim não me sinto mais velho do que sou.
- Tá bom Carlitos. O se... quer dizer, você aceita um café com bolo fresquinho?
- Claro! Foi você mesma que fez?
- Sim, aprendi com a mamãe. Ensinou-me a cozinhar, lavar e cuidar da casa. Diz ela que é para quando eu casar.
- Hum! Moça prendada. Já tem um namorado ou ainda está na espera?
- Penso nisso agora não. Estou muito jovem para namorar.
- Quantos anos você tem Lauana?
- Tenho dezenove, fiz mês passado. O pai disse que já tô na idade de ter um namorado senão fico pra titia igual minha irmã Luna.
Fica não! Uma moça tão linda, prendada e respeitosa que nem você deve estar cheia de pretendentes por aqui.
- Vamos mudar de assunto Carlitos? Disse isso visivelmente corada.
- Você me dá licença, preciso ir cuidar do almoço. Saiu apressadamente. (Continua no segundo Capítulo ...)

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação utilizando-se qualquer meio, do todo ou em parte do conteúdo sem autorização expressa do autor, sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova – All Rights Reserved.
*Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com fatos, pessoas ou locais terá sido mera coincidência.

Seguidores do Google